domingo, 27 de março de 2016

A Letra Escarlate

Terminei de ler A Letra Escarlate (1850) de Nathaniel Hawthorne da Martin Claret. Eu queria muito ler esse livro e comprei essa edição que é bem acessível. É muito bonita a capa mas não tem nada a ver com a obra. Eu sempre quis ler desde que soube dos filmes sobre ele. O maravilhoso do Wim Wenders eu vi em 2011 e coloquei aqui. A Fátima do Abkadraba - Coisas da Vida comentou que leu desse autor A Casa das Sete Torres, eu também li esse e comentei aqui. O post da Fatima sobre esse livro fica aqui. Eu tinha gostado muito desse livro e do estilo do autor.

Obra Autumn on the Deleware de Thomas Worthington Whitredge

Uma mulher é obrigada a andar com a letra A escarlate na roupa porque ela engravidou com o marido ausente há anos. É impressionante o quanto essa obra é feminina, o quanto parece que foi escrita por uma mulher. O livro começa com a filha do adultério bebê, a mãe presa com a bebê, sendo pressionada a dizer quem foi o homem que pecou com ela. E essa mulher nada diz.

Obra Menina do Camponês de William Morris Hunt

Essa mulher é condenada a viver com a letra A escarlate bordada no peito.Ela usa roupas austeras para que não chamassem a atenção, só a letra vermelha destoava da tentativa de invisiblidade. Ela leva a filha em tudo quanto é lugar, já que pega trabalhos para bordar, é exímia bordadeira. Aos poucos a cidade vai se acostumando com essa mulher e sua filha. A menina é hostilizada por outras crianças da cidade que repetem o que os pais dizem e passa a revidar, assustando as outras crianças que passam a ter medo de hostilizá-la. A mulher ajuda os mais pobres, ouve os problemas dos outros, dá conselhos e aos poucos ela e a letra escarlate passam a ser vistas como um consolo, como algo bom. O quanto o tempo muda a percepção das pessoas e tudo se atenua. É uma bela e sensível obra!

Nessa edição há uma biografia do autor. A Letra Escarlate é o seu primeiro livro, ele já tinha trechos de livros escritos guardados, mas trabalhava muito. Quando perdeu seu emprego foi incentivado por sua esposa a debruçar na obra. Foi só depois de outras obras publicadas é que começou a ter mais visibilidade. A Letra Escarlate é considerada a sua obra-prima.

Beijos,
Pedrita

18 comentários:

  1. Sou louca para ler esse livro, vi o filme e gostei muito da trama. Bom saber que vale a pena ler.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedrita!
    Pela resenha deve ser um ótimo livro, eu ainda não assisti
    o filme. Obrigada por mais essa dica preciosa!

    Beijos, ótima semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andréa, tem muitas versões de filme do livro que é ótimo.

      Excluir
  3. Pedrita
    como sabes comentei este livro há pouco tempo. Também gostei muito. Mas ao ler o teun comentário ocorreu-me o seguinte: não há aqui um paralelismo entre o feminino ligado à liberdade e o masculino associado à tradição e à rigidez de pensamento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. manuel, agora que lembrei que o seu post me instigou a pegar esse livro que estava na estante a ler. realmente o feminino é muito mais libertador na obra. mais corajoso. a coragem está no feminino.

      Excluir
  4. Esse dias de não fazer nada, fiz montes de coisas desordenadamente.
    Conclusão, o que comecei a ler, nem cheguei no meio.
    Bagunça total.
    Pensei que tinha esse livro.
    Não tenho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, tb meu feriado foi anárquico. mas esse livro eu já tinha terminando faz tempo.

      Excluir
  5. Pedrita, eu li o livro e assisti ao filme quando tava na faculdade. Eu amei ambos. Claro, ela uma mulher forte,decidida, já ele, um covarde sem classificação além disso. Recomendo, super obra-prima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ruby, exatamente, um covarde em nome de deus. muito atual.

      Excluir
  6. Eu também gosto muito do estilo dele, que influenciou vários outros autores norte americanos. E foi bom ler A casa das sete torres, agora, vou procurar esse que você acaba de ler. Sei que tem um filme com a Demi Moore, mas eu não vi. Legal fala do meu Abrkdbra. Merci!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fatima, eu gostei muito. falam q esse filme é sofrível. eu vi o do wim wenders que é ótimo.

      Excluir
  7. Eu assisti a versão apenas razoável protagonizado por Demi Moore nos anos noventa.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, essa versão não tenho muita vontade de ver. veja a do wim wenders q é incrivel.

      Excluir
  8. Ainda não tive oportunidade de assistir o filme e ler o livro, mas sua resenha despertou minha curiosidade. A trama parece ser bem intensa, ótima dica!

    Beijos, Pri
    vintage.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Pois já ouvi falar deste livro, embora nunca o tenha lido.

    ResponderExcluir

Bons comentários!