segunda-feira, 7 de março de 2016

Além do Inverno

Assisti Além do Inverno (2013) de Philippe Claudel no Max. Eu falei desse filme para a Liliane do Paulamar e colocamos pra gravar. Ela viu antes, parecia não ter se animado muito, fui postergando ver. Um dia eu vi uma chamada e vi que era com o Daniel Auteuil que amo. Vejo tudo o que ele faz. Ele pode fazer um filme muito porcaria, que ganhe Framboesa de Ouro, mas eu vou querer ver. E depois que começou é com outra atriz que adoro Kristin Scott Thomas. O dois interpretam um casal que está junto faz muito tempo. Eles são se dão bem, tem uma vida muito confortável. A casa que escolheram é lindíssima, o jardim maravilhoso. Ele é médico e eu achei que a esposa fosse paisagista, mas depois ela conta que largou tudo para apoiar o marido na carreira difícil de médico, para dar suporte a ele. O casamento está desgastado. Eles vivem bem como amigos, mas os dois estão distantes um do outro.

Ele conhece uma linda moça e começa uma bela e terna amizade com ela. Eles não se envolvem. A esposa do médico tem uma irmã com problemas e quando ela precisa de ajuda procura o amigo do casal, não o marido médico. O médico tem muito stress e é afastado do hospital onde fazia numerosas cirurgias. Boa parte do stress é em decorrência de rosas vermelhas que incessantemente chegam pra ele no consultório e em casa e ele não sabe quem envia. Ele e a mulher desconfiam de muita gente. Todos negam. Linda a moça que ele conhece, interpretada pela Leila Bekhti.

Vou falar detalhes do filme: Há muito texto incrível. Em um momento a esposa fala que o marido teve licença para ficar em casa, na casa que ele estranha, que ele parece não pertencer. Os dois se dão muito bem com a nora e volte e meia ficam com a neta que adoram, mas o filho é um chato e eles não se entendem muito. No filme também eles contam que os três amigos se conheceram juntos. Ela era muito amiga dos dois e casou com um deles. O pai inclusive se entende muito mal com o filho economista. Também no final, bem no finalzinho uma frase passa quase despercebida. O filho chato pergunta a mãe quem está ganhando no tênis e a mãe diz, o seu pai, mas quem está ganhando é o amigo deles. E quem perceber, vai ver que na verdade o filho chato é filho do amigo do casal, não do marido, mas o filho acha que a mãe se enganou e nem percebe.

O final é bastante surpreendente. O amigo é interpretado pelo Richard Berry. A trilha sonora é muito bonita também. Desse diretor é já vi Há Quanto Tempo Que Te Amo e comentei aqui.

Beijos,
Pedrita

16 comentários:

  1. Desde o Festival Varilux do ano retrasado venho tentando assistir a esse filme!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu vi o filme e até gostei do filme. Os 2 atores são mesmo, excelentes.
    Mas, eu continuo não morrendo de amores pelo cinema francês.

    Acho tão bobo essa reclamação de casais de dizer que a relação está desgastada.
    Os casais precisam namorar permanentemente.
    Os casais se relaxam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, nesse filme o casal se afastou. ele vivia enfiado no trabalho e ela mais próxima do amigo do casal. tanto q qd ele vai passar um dias em casa para se recuperar se sente um estranho.

      Excluir
  3. Adoro filmes franceses. E esse filme gostaria muito de assistir. Vou anotar e procurar.
    Boa dica
    Beijos e feliz dia da mulher
    Adriana

    ResponderExcluir
  4. Pedrita,
    pela sinopse deve ser muito bom, obrigada por compartilhar!

    Feliz Dia da Mulher!
    Bjs ♥

    ResponderExcluir
  5. Boa dica, não conhecia este filme.

    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Oi Pedrita
    Vi muito pouco cinema francês.
    Big Beijos
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
  7. Vi pouco cinema francês...bjao
    www.anaherminiapaulino.blog.uol.com.br

    ResponderExcluir
  8. Dramão! (do jeito que eu gosto! rsrs).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, realmente é bom. gostei que é complexo. muitas nuances.

      Excluir

Bons comentários!