sábado, 22 de outubro de 2016

I Simpósio Internacional de Mulheres Regentes

Fui ao I Simpósio Internacional de Mulheres Regentes na Sala do Conservatório da Praça das Artes. Foram dois dias de simpósio, eu assisti a do domingo. A realização foi de Ligia Amadio. A primeira mesa que vi foi com as regentes Isabela Sekeff, Mara Campos, Monica Giardini, Naomi Munakata e Vania Pajares, a mediadora foi Camila Frésca. Elas falaram de suas experiências, trajetórias.


Depois a mesa foi com jovens regentes Cinthia Alireti, Katarine Araújo, Mariana Borges Menezes, Natalia de Souza Larangeira, Thais Costa Yanina Desirée Daniluk essa do Paraguai. Thaís Costa participou de concurso para ser regente em Dourados, Mato Grosso do Sul, quase na fronteira. O desejo do reitor era que a cidade tivesse uma orquestra e ela foi incumbida de criá-la. Ela falou da dificuldade inicial de conseguir instrumentistas em uma cidade ainda sem tradição de música erudita. Que hoje há vários eventos atrelados a essa iniciativa e vários grupos de câmara criados, além da orquestra. Três dessas regentes já se conhecem porque participam de vários festivais pelo país e volte e meia se encontram.

Participaram da última mesa desse dia: Claudia Feres, Antonia Joy Wilson dos Estados Unidos, Paulo Zuben e Isabela Pulfer. A mediadora foi a Cláudia Toni. Foi o momento dos números. Levaram números de meninos e meninas que vão estudar música. Quando crianças o número maior é de meninas, depois as meninas vão diminuindo. Falaram então do fato de ser bonitinho a menina estudar música e os meninos, esportes. Mas que após os 10 anos as meninas passam a cuidar dos irmãos, da casa, e que param inclusive de estudar. Enquanto os meninos seguem nos estudos. Também a plateia cobrou que as orquestras e coros tocassem e interpretassem repertório brasileiro.

Depois todos se reuniram para pensar no futuro. Decidiram se comunicar por fórum até o próximo simpósio, que cada país terá uma representante que poderá promover eventos em seus países. Foi um evento gratuito, realizado particularmente, sem incentivos. Foi emocionante! 


Beijos,
Pedrita

10 comentários:

  1. Acho interessante esta ideia de realizar um simpósio desses aberto ao público. A gente fica sabendo mais sobre as atividades dessas profissionais e o povo também acaba por tomar conhecimento da música erudita.

    Beijoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, são ações que acontecem em tempo de crise. profissionais se unindo para pensar soluções e caminhos.

      Excluir
  2. Pedrita, interessante a idéia do simposíso. Importante divulgar o trabalho delas e também as dificuldades. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Realmente esse tipo de evento é emocionante mesmo para quem participa. Deu vontade e uma dose de invejinha branca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foi um evento inesperado pela participação.

      Excluir
  4. Não entendo como se quer igualdade(eu não) e fazem um Seminário desse.
    Devia ser as regente de tal ou qual lugar(risos)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, deveria ser assim, basta um talento que o trabalho aparece. infelizmente em um país machista como o brasil, talento não é suficiente.

      Excluir
  5. Que maravilha de evento, muito bom mesmo, merece muitos aplausos!

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir

Bons comentários!