domingo, 13 de novembro de 2016

Uma Noite em Sampa

Assisti Uma Noite em Sampa (2016) de Ugo Giorgetti no Canal Brasil. Eu olhava há um tempo os filmes do canal no Now. Achava que esse era outro. Só quando passava o controle remoto que vi um pedaço do nome do Giorgetti, diretor que amo, que voltei e vi que não era. Eu vi uma ou outra matéria na época, cheguei a querer ver no cinema, não consegui, mas não tinha guardado o nome.

É absolutamente genial! Como normalmente são as obras do Giogetti. Me lembrou muito Sábado, meu filme preferido do diretor, pelo nonsense. Um grupo grande sai do Teatro Ruth Escobar e vão para um ônibus. Uma responsável pelo programa turístico não consegue achar o motorista. Ela é interpretada por Flávia Garrafa. É muito surreal porque todos ficam lá esperando, tentando saber o que aconteceu.

A guia pediu que eles deixassem os celulares no ônibus. Parece que não sabem fazer nada sem os celulares. Eles estão apavorados com o que a cidade pode fazer com eles, com os assaltos, mas aos poucos eles parecem mais perigosos que a cidade. Como qualquer grupo heterogêneo, há pessoas de todos os temperamentos. Amo esses roteiros do diretor que coloca uma mini sociedade em uma situação de conflito e suas consequências.
Eles começam a se dividir em grupos e cada um fala mal do outro. É assustador a inatividade do grupo que só sabe se digladiar, mas não sabe resolver o conflito. Uma só fica contando assalto e sequestro trágico e é interpretada por Siomara Schröder.

Uma hora ouvi um cantor de ópera a capella e pensei, nossa, contrataram mesmo um cantor e aparece o Eduardo Janho-Abumrad passeando de pijama com um cachorro e cantando. Engraçado que ninguém vai pedir ajuda para aquele homem. Não perguntam também aos rapazes sentados nas escadas. Não saem andando. Achavam que seriam assaltados. Desde quando um grande grupo daquele seria assaltado? Só se o assaltante fosse muito burro. E a pobre da organizadora do grupo que de madrugada acha que vai ter alguém na empresa que trabalha, mas que não liga para a polícia. Há um orelhão na rua. E ninguém mais usa o orelhão tentando uma saída. Há várias outras participações especialíssimas. O médico que ninguém viu no grupo interpretado por Atilio Bari que consegue um táxi. Otávio Augusto também faz uma participação divertidíssima. Ele é o ator da peça, ninguém vai pedir ajuda pra ele e ele pede para irem embora logo porque é tudo gente que pagou meia entrada.

Há outros fatores surreais muito bons. E o elenco é ótimo:Chris Couto, Roney Facchini, Lutti Angelelli, Francisco Bretas, Maria Stella Tobar, Thaia Perez, Fernanda Viacava, Andréa Tedesco, Suzana Alves, Sérgio Mastropasqua, Angelo Brandini, André Correa, Thiago Amaral, Agnes Zuliani, Carol Portes e Flávio Tolezani

E claro, esse personagem, há outros muito bem interpretados. Genial! Eu fiquei pensando como o diretor ia terminar o filme, pensava em várias possibilidades, eu imagino que o diretor também, mas amei a solução ou não-solução que ele encontrou. Novamente, genial!

Beijos,
Pedrita

14 comentários:

  1. Caraca!!! Fiquei aqui louca para vê esse filme! Vou procura sim! Valeu pela dica!

    Jaci
    O Que Tem Na Nossa Estante

    ResponderExcluir
  2. Deve ser bem interessante. A ideia de colocar pessoas (duas ou mais) em situação que envolva alguma tensão é recorrente, nas artes. E isso porque é nessas situações que afloram as coisas que as pessoas mantêm mais bem escondidas dentro delas, rsrs.

    Beijoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, é muito interessante mesmo. a forma como o roteiro é construído é genial.

      Excluir
  3. As obras de Giorgetti tem uma olhar sensacional sobre a cidade de SP. Vou procurar este novo filme.

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Parece genial!!! Tenho que assistir. Até lembrei de clássicos como O Anjo Exterminador.

    Aiii eu estou como eles, com medo de assalto o tempo todo. Já vou para a rua em pânico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, vc vai gostar. mostra o exagero do medo ao assalto.

      Excluir
  5. Que máximo Pedrita, elenco top!

    Beijinhos, abençoada semana!

    ResponderExcluir
  6. Medo de assaltos? É comigo mesmo.
    Vou procurar o filme.
    Parece uma história interessante.

    ResponderExcluir
  7. Olá Pedrita!
    Nossa que interessante a premissa do filme!
    Imagino que as situações são mesmo surreais, entretanto inseridas no nosso dia a dia onde cada vez mais temos pânico de tudo e onde por incrível que pareça estamos perdendo a capacidade de nos orientar na busca plausível das soluções.
    Achei diferente o olhar do cineasta e fiquei muito curiosa para assistir o filme.
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli. essa inatividade me assusta. mas realmente andamos com medo.

      Excluir

Bons comentários!