sábado, 25 de março de 2017

Brooklyn

Assisti Brooklyn (2015) de John Crownley no TelecinePlay. Vi umas duas vezes trechos começados no Telecine Premium e pensei em uma hora programar pra gravar. Demorou um pouquinho, mas apareceu no TelecinePlay. Eu adoro filmes de época e esse é bem bonito. Brooklyn é baseado no livro de Colm Tóibin que não li nada ainda e fiquei curiosa. O diretor e o autor são irlandeses e Brooklyn é uma história de irlandeses.

Eu adoro a Saoirse Ronan. Ela interpreta uma jovem provinciana de uma pequena cidade na Irlanda. Ela mora com a mãe e a irmã. A irmã consegue através da igreja que eles financiem uma viagem a irmã para os Estados Unidos e para tentar melhorar de vida lá. A igreja não só paga a viagem, como arruma um emprego e a insere em uma pensão. A irmã é interpretada por Fiona Glascott e a mãe por Jane Brennan.
Lá ela vai ser balconista em uma loja. Muito triste, a loja procura o padre que arruma um curso para ela ser escriturária. Depois conhece um italiano encanador e se apaixona. O italiano é interpretado por Emory Cohen.

Ela precisa ir ver a mãe na Irlanda e lá surge um novo partido, um homem culto e bem de vida. Ela chega a dizer que é estranho que quando saiu da cidade, lá não haviam oportunidades pra ela, e insinua dizer nem um bom partido. Mas foi a viagem aos Estados Unidos que mudou o olhar da cidade sob ela. Como ela chegou com roupas modernas, elegante, tinha estudado escrituração e conseguiu um bom emprego. Mas se ainda fosse aquela provinciana o bom partido nem teria reparado nela. Acho que ele só reparou porque ela agregava status a sua vida. O irlandês por Domhnall Gleeson. Também quando ela volta a Irlanda percebemos que a vida americana era uma ilusão. Lá ela se tornou balconista de loja que já era na cidadezinha, vivia em uma pensão e nunca tinha visitado outros lugares, continuava encerrada em uma única cidade, nesse caso em um único bairro o Brooklyn. Alguns outros do elenco são: Julie Walters, Hugh Gomrley, Eileen O´Higgins, Jessica Paré, Nora-Jane Noone e Eve Macklin. Brooklyn concorreu a Oscar de Melhor Filme, não chega a tanto. É um filme delicado e bom, somente.

Atenção: O trailer conta praticamente tudo. Tentei achar outro menos spoiler, mas só divulgaram esse mesmo, infelizmente.

Beijos,
Pedrita

16 comentários:

  1. O mais legal deste filme é a forma como o roteiro tratrou da questão da imigração de forma sensível, sem apelar para o melodrama.

    A reconstituição de época também é muito boa.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, eu gostei tanto. mas um tanto romanceada a imigração.

      Excluir
  2. Já é um passo em frente em relação ao escritor de quem já li este livro, gostei e recomendo o autor.
    http://geocrusoe.blogspot.pt/2016/09/nora-webster-de-colm-toibin.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. carlos, fiquei com muita vontade de ler. adorei reler o seu post. coloquei em autores a ler.

      Excluir
  3. Outro DVD que tenho em casa que ainda não vi.

    ResponderExcluir
  4. Também gostei, um bom filme, mas nada de inesquecível. Já nem lembrava mais dele. Adoro a protagonista e o Domhnall Gleeson.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, uma matéria que li dizia exatamente isso. que o filme é esquecido no dia seguinte. eu ainda lembro dele. até pq o blog ajuda a lembrar. mas é um filme que se esquece fácil mesmo.

      Excluir
  5. Também assisti e gostei. Trata-se de um filme realmente delicado e - digamos - sem grandes arroubos, mas, como você disse, com coisas a ensinar. Uma delas é justamente as mudanças que vão acontecendo em nós, por conta de novas experiências, amadurecimento etc. A certa altura comecei até a achar que o casamento da protagonista foi precipitado, pois fica claro que ela se sente dividida entre o marido distante e o bom partido local. Também fiquei impressionada com a personagem "miss Kelly", por sua malícia e autoritarismo. Esse tipo de pessoa era bem comum nas cidades do interior, rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, tb achei o casamento precipitado. escolhas não são fáceis.

      Excluir
  6. Oláááááá Pedrita!
    Achei um filme sensível sobre redefinições, um mosaico de retratos a adaptação dos imigrantes, com ótima produção, figurino e ambientação impecáveis, reconstrução perfeita de época.
    Vou deixar o link de onde falei dele se vc quiser dar uma olhadinha lá:
    http://cafecomleituranarede.blogspot.com.br/2016/09/cine-clube-24-brooklyn.html

    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
  7. Olá, Pedrita!
    Esse eu não assisti, mas pela resenha e vala a pena ver e rever.

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  8. Quem sabe ainda acho para gravar.
    Gosto de filmes de época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, acho que vai gostar. tem no now. e passa bastante no telecine play.

      Excluir

Bons comentários!