segunda-feira, 1 de maio de 2017

Eraserhead

Assisti Eraserhead (1977) de David Lynch na ClaroTV. Eu amo esse diretor, fiquei eufórica que vi que esse filme estava lá. É completamente maluco e surreal, simplesmente fantástico! O nome na ClaroTV não tem nada a ver.

Tudo é estranho. Nosso protagonista parece morar em um hotel. Ele vai visitar uma moça. Incríveis as ruas. A moça mora com os pais e a avó. Lá ele descobre que a moça teve um filho. Ele é interpretado brilhantemente por Jack Nance.

O bebê é estranho. Os dois vão viver com o bebê naquele quarto que é igualmente estranho. Na grade do aquecedor ele sempre vê peças de teatro. O bebê só chora. A mãe não aguenta, vai embora e ele fica cuidando. É muito angustiante. Bastante macabro. Alguns outros do elenco são: Charlotte Stewart, Jeanne Beats, Laurel Near, Jack Fish, Jennifer Lynch e Judith Roberts
Beijos,
Pedrita

16 comentários:

  1. Gosto de filme maluco e surreal. Em geral, acho o diretor bem difícil de entender, mas esse vou querer assistir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, amo filme maluco e surreal. e esse é tudo isso e mais um pouco pq não dá efetivamente pra entender nada e eu gosto exatamente disso. pq ser qq coisa.

      Excluir
  2. Não acompanho muito esse diretor, mas lembro daquela série da Laura Palmer.
    big beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. lulu, nossa, não sabia q essa série era dele. eu amo esse diretor. maluco q só, mas fascinante.

      Excluir
  3. Por mas que eu goste de filmes diferentes, este foi difícil assistir até o fim.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, eu adorei. achei difícil pq dá muito nervoso o bebê que não é bebê sofrendo.

      Excluir
  4. Filme Bizarro, Desconcertante e Perturbador (tudo em maiúsculo mesmo). Mas bastante original, sem dúvida, rsrs.

    Beijoca e boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, sofri horrores, muito, mas muito desconcertante mesmo. originalíssimo.

      Excluir
  5. Olááááá Pedrita
    Quando vi pela primeira vez esse filme não consegui assistir ate o fim.
    Então assisti Cidades dos Sonhos do diretor.
    Daí voltei nele. Continuei achando estranho, um constante pesadelo de ansiedade, uma alegoria visual, desafiador, intenso e surreal.
    Uma vez li uma entrevista do diretor onde pediam para ele explicar o filme e ele dizia que as interpretações diversas das pessoas que assistiram era muito mais interessantes que uma explicação dele.
    Com uma pegada da dor da crise do "crescimento" do protagonista e tomando emprestada a licença poética de quem diz que o cinema de Lynch é experimental, eu diria que assistir esse filme é uma experiência.
    Só não sei ainda se foi boa rsrsrs
    Ótima semana pra ti
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, eu largava e tinha dificuldade de voltar. aquela agonia do bebê é insuportável. o diretor é genial, mas muito indigesto. obrigada por compartilhar a entrevista do diretor. sim, foi uma experiência. hahahaha, tb não sei se boa hahahaha. mas eu amei. adoro diretores que me tiram do conforto.

      Excluir
  6. Hello, Pedrita!
    Parece bizarro, rsrs. Não é meu gênero, porém, eu assistiria, amo filmes!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Não gosto desse estilo de filmes.
    Eu nem entendo.
    Por isso, evito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, acho que não vai gostar desse, é maluco demais.

      Excluir
  8. Interessante Pedrita. Não conhecia esse filme.

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br

    ResponderExcluir

Bons comentários!