sábado, 10 de fevereiro de 2018

Real - O Plano Por Trás da História

Assisti Real - O Plano Por Trás da História (2017) de Rodrigo Bittencourt no TelecinePlay. O filme é baseado no livro 3.000 dias no bunker – Um plano na cabeça e um país na mão de Guilherme Fiuza que quero muito ler. Acho fundamental filmes que contem parte de nossa história independente da política. Os filmes são feitos para contar histórias e as análises ficam para os historiadores e educadores. Mas só de provocar o pensamento, de conhecer a história, de estimular a procura por informação, já é fundamental. E gostei demais!

A edição é incrível, elenco excelente. Sim, não é um tema fácil, são muitas vertentes. Real - O Plano Por Trás da História conta o período que foi formada uma equipe econômica muito diversa, com grandes economistas para estudar mais um plano que diminuísse ou até mesmo parasse a inflação, o que sempre pareceu utópico. 

Era governo de Itamar Franco (Bemvindo Sequeira). O Brasil estava com hiperinflação de 80% ao mês, fazem uma ideia do que é isso? O país tinha vindo de planos econômicos fracassados como o criminoso de Fernando Collor de Mello que confiscou as poupanças levando de um dia para o outro milhares de pessoas à miséria e muitos suicídios. Itamar Franco procura Fernando Henrique Cardoso (Norival Rizzo)  para que monte uma equipe econômica para estudar um novo plano.
Fernando Henrique Cardoso busca uma equipe com vários acadêmicos e profissionais de economia significativos, mesmo que divergentes entre si. Gustavo Franco, interpretado maravilhosamente por Emilio Orciollo Netto, acaba liderando e sendo o principal responsável pelo Plano Real, mas todos foram determinantes para tirar o país daquele caos econômico e dando finalmente poder de compra a população. Claro que no Brasil tudo o que se resolve tem consequências, a corrupção é algo complicado no país, mas é fato que até 2008 o brasileiro teve condições de viver com mais dignidade.

Gustavo Franco agiu como poucos decisores, mexeu com poderosos. Quando ele viu que poderosos estavam querendo faturar com o real comprando dólar antes, o famoso jeitinho brasileiro de se dar bem não importa a quem, ele mandou os bancos serem fechados. Quando um político quis fazer um projeto no Irã e que o dinheiro não iria retornar ao Brasil, ele vetou. Gustavo Franco poderia não ser perfeito, foi acusado de corrupção pela venda do Banestado, mas não vacilou frente as pressões. Antes da reeleição de FHC, Gustavo Franco não queria desvalorizar a moeda, sim havia desemprego, juros altos, mas olhando o Brasil daquela época com os dias de hoje, eram bem melhor estar lá do que estar aqui nessa crise monstro sem perspectivas futuras.
O elenco impressiona. Além desses grandes nomes que mencionei ainda participam: Guilherme Weber, Tato Gabus Mendes, Cássia Kiss, Fernando Eiras, Mariana Lima, Paolla Oliveira, Juliano Casarré, Wladimir Candini, Arthur Kohl e Ricardo Kosovski
Beijos,
Pedrita

8 comentários:

  1. Este filme eu ainda não assisti.

    O Plano Real foi um dos poucos acertos de nossos governantes nos últimos 50 anos.

    Pena que os ganhos e o crescimento que o plano trouxe foram destruídos pelo governo seguinte que saqueou os cofres do país.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, o brasil vem perdendo a conquista do real desde q nao enfrentou a crise dos eua e só empurrou o problema pra frente. desde 2009 tudo é muito instável e só vai deixar de ser se alguém tiver coragem de mexer com quem tem dinheiro.

      Excluir
  2. Gosto das crônicas que as vezes leio do Guilherme Fiuza.
    Mas filme nacional, acho que nunca vou amar. Sempre com um pé atrás.

    Vou rever suas orientações para vê filmes no Now.
    Tenho Telecine, HBO, Globo Play tudo nos Ipads.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. isa, não sei se chega em portugal. é um filme muito local.

      Excluir
  4. Olá Pedrita
    Não li o livro e não sabia do filme.
    Puxa que elenco maravilhoso, sou apaixonada pelo Emilio Orciollo, o Tato Gabus Mendes, Guilherme Weber, Juliano Cazarré, a Mariana Lima e a Paolla.
    Acho que os filmes nacionais estão numa ótima fase!
    Gosto dessa perspectiva histórica até porque em termos é recente.
    Meu avô dizia que era tão louca a época da inflação que os bancos tinham uma aplicação chamada overnigth em que vc aplicava dinheiro numa quinta-feira e retirava na segunda feira com cerca de 10% de "lucro". Não sei aonde estava o lucro se a inflação "comia" a rentabilidade, enfim ...
    Infelizmente penso que as coisas não melhoraram depois da criação do Plan Real, mas ficaram em suspenso por essas décadas e que a ideia de estabilidade era mais uma sensação :/
    O terreno nunca deixou de ser minado até chegar no caos que presenciamos nos dias de hoje, um mal institucionalizado.
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, vc tb é fã do emilio orciollo. ele está em um personagem incrível em apocalipse, um astrofísico. pena q é ateu e vive sendo condenado pq a novela acredita q o certo é ser evangélico. exatamente. mas tinha gente q especulava e realmente ganhava muito dinheiro. tempo de vagas gordíssimas para oportunistas. eu penso diferente. o plano real foi real sim e deu poder de compra e emprego pra população.

      Excluir

Bons comentários!