sábado, 12 de janeiro de 2019

Red Sparrow

Assisti Red Sparrow (2018) de Francis Lawrence no TelecinePlay. Não sabia muito desse filme, gostei bastante. O roteiro é do inglês Jason Mattheus, o diretor é austríaco. É bem pesado, sobre espionagem entre Rússia e Estados Unidos. Em alguns momentos tenta demonizar a Rússia, mas no geral mostra que ser agente secreto é sempre péssimo para qualquer pessoa. Vira-se um instrumento do país que o aliciou, sofre muitas violências, fica prisioneiro de um sistema que não se acredita, não importa o lado.

 A protagonista é a primeira bailarina na Rússia. Um acidente a faz abandonar a profissão. A dor dela por ser fisicamente impedida de seguir a profissão dos seus sonhos é de cortar o coração. Atualmente a tecnologia permite com quase perfeição juntar os movimentos de uma grande bailarina com a da atriz. Ficou muito bom. A protagonista sempre teve uma vida difícil, mesmo amando o balé, além dos exaustivos ensaios, ela cuida da mãe doente. Jennifer Lawrence está incrível. Ela é uma mulher forte, determinada. Logo no começo há um momento de insinuação de assédio. É um filme muito atual e feminino. 

O tio percebe a vulnerabilidade da sobrinha. Sem trabalho, ela tinha o apartamento pago pelo balé e os tratamentos da mãe. Ele oferece então a possibilidade dela se tornar agente secreta. Não há muito opção. O treinamento é monstruoso, a treinadora é interpretada pela incrível Charlotte Rampling.

Os filmes recentes de espionagem são bem mais próximos da realidade e podem ser muito violentos. Da metade pro fim beira quase o insuportável, mas vale a insistência, ótimo roteiro. É muito intrincado, difícil mesmo de acompanhar tantos desdobramentos, mas muito bom.  Gostei do texto do Jeremy Irons sobre o poder que os sistemas fazem das pessoas, ele fala dos russos, mas a espionagem americana não é menos violenta. E igualmente manipula as pessoas. Ela passa a contracenar com o personagem de Joel Edgerton. O elenco todo é muito bom: Jeremy Irons, Matthias Schoenaerts, Mary Louise Parker, Ciáran Hinds, Joely Richardson, Bill Camp e Douglas Hodge.

Beijos,
Pedrita

10 comentários:

  1. Gosto de filmes de espionagem e este filme já estava na minha lista.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. liliane, eu gostei. não sei se vai gostar pq é bem violento.

      Excluir
  3. Olá, tudo bem? Assisti Lady Bird no cinema e sinceramente não fica na minha relação de filmes preferidos....Bjs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Pedrita,
    Pela sua resenha, deve ser um filme muito bom e instigante. Só fiquei preocupada em não aguentar a segunda parte, que você diz ser quase insuportável, pela violência.

    ResponderExcluir
  5. Olá Pedrita
    Gostei muito do filme.
    Achei bem instigante a forma que encontraram para o final.
    Confesso que me surpreendeu quem era o espião, eu pelo menos não desconfiei em nenhum momento
    E quem ela diz que é me surpreendeu ainda mais rsrsrs
    Bjs Luli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, tb me surpreendi. ela tinha muita raiva do tio. tinha uma série insinuação de abuso por parte dele. e ele q chantageou ela pra ir pra aquela vida. monstro. fez muito bem ferrar com ele.

      Excluir

Bons comentários!