segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Nelson Freire

Assisti ao recital de Nelson Freire na Sala Cecília Meireles, na abertura da série Piano Solo. Eu sei, estive no Rio de Janeiro, mas foi uma visita relâmpago, cheguei e voltei, não deu pra falar com ninguém. Não dava tempo para rever os amigos, espero que compreendam. Eu nunca tinha entrado na Sala Cecília Meireles, é o primeiro recital que vejo lá, é muito bonita realmente e com excelente acústica. Bom, eu amo Nelson Freire, e claro que o recital foi magnífico. É daqueles artistas que temos que assistir uma única vez na vida ao menos. Nelson Freire acaba de ganhar o prêmio Gramophone e todos lá só falavam nisso. Nelson Freire tocou de Bach-Busoni, Nun kommt der Heiden Heiland BWV 659, nunca tinha ouvido essa obra e parece que é pouco tocada no Brasil. De Beethoven, a Sonata nº 31, op. 110, de Debussy, Children´s Corner e de Chopin, a Sonata nº 3, op. 58, essa última eu tenho o CD aqui. Foi um recital maravilhoso, fiquei emocionada.


Essa série traz sempre um jovem pianista abrindo o recital. Nesse do Nelson Freire, a abertura ficou com o Leonardo Hilsdorf, nossa, esse jovem pianista toca muito bem. É um rapaz promissor. Ele interpretou Grieg as Peças líricas op. 43 ns. 1 e 5 e de Liszt a Rapsódia Espanhola. Foi um belíssimo recital.


Beijos,


Pedrita

3 comentários:

  1. Incrível, minha cara: Só não fui ver Nelson Freire por questões de força maior. De resto, também gosto muito da Sala Cecília Meireles e do ambiente boêmio da velha Lapa que a cerca. Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Assisti a um concerto de Nelson Freire há dois anos, aqui em Lisboa.
    A sua arte é inconfundível.

    ResponderExcluir
  3. deve ter sido um lindo espetáculo.

    beijos

    ResponderExcluir

Bons comentários!