quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Simplesmente Martha

Assisti Simplesmente Martha (2001) de Sandra Netelbeck no Telecine Cult. Por falta de opção tentei ver esse e só continuei por insistência. É uma comédia romântica com vários equívocos e muitos clichês, não entendi porque está no Telecine Cult e não no Light. Dá pra assistir, tem alguns momentos simpáticos, mas alguns argumentos achei mal elaborados. No início nossa protagonista mora sozinha e mostraram um pouco dela desesperada para arrumar um namorado. Achei bem de mal gosto achar que mulher sozinha está desesperada. Como se uma mulher sozinha não pudesse viver bem. O estranho é que no desenrolar do filme vemos uma mulher segura, resolvida, ótima profissional e feliz.

Eu também não tenho muita paciência em melodramas em filmes. É um recurso fraco e sensacio-nalista. A irmã dela morre e ela tem que cuidar da sobrinha. Eu gosto muito dos atores protagonistas e gostei muito da menina que faz a sobrinha. A protagonista é uma chef famosa de cozinha, com o afastamento da irmã e uma grávida na cozinha, surge outro chef para ajudá-la e ela fica enciumada. Esse chef inicialmente parece gostar do trabalho dela, mas depois agride-a tanto profisisonalmente, é tão machista, que não entendo porque ela gostou dele. Esse será o par romântico do filme. A relação com o psicólogo também é clichê. Que não ajuda nada, e ele fala algo em um momento que além de grosseiro não seria dito por um profissional. Os três atores são: Martina Gedeck, Maxime Foerste e Sergio Castelitto. Esse filme resultou no americano No Reservations, que não me animei muito pra ver, agora então, menos ainda.




Youtube: Bella Martha


Beijos,

Pedrita

8 comentários:

  1. Eu não sou fã de comédias românticas, esse achei só bonitinho. Vale mesmo pelos atores.

    Tenho muito medo desse remake americano!

    ResponderExcluir
  2. Pedrita, nunca ouvi falar neste filme. Mas existe sim mulher sozinha que está desesperada em arranjar um homem. Tem várias por aí, o filme só mostrou uma realidade que facilmente vemos por aí.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. eu também assisti essa versão, mas acho que em um dia que não queria prestar muita atenção em detalhes. Mas acho que assisti no Telecine Light (Cult é forçar a barra, né?). Se não me engano, a versão estadunidense é com a Catherine Zeta-Jones.
    Denise

    ResponderExcluir
  4. Pedrita,

    Eu vim comentar que não aguentei e assisti "Crepúsculo", sabe o que foi pior: ADOREI! rs...
    Agora já peguei o livro pra ler..

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. ana maria, eu tb não e nem bonitinho achei pq achei muito preconceituoso.

    marion, concordo, mas no caso dela era incoerente. parecia q acharam q, mas depois ela parece ser o oposto do q forçaram.

    sheila, a marion tb gostou.

    ResponderExcluir
  6. O sucesso do filme alemão "Bella Marta" foi tão grande, que os americanos não perderam tempo e filmaram uma versão americana com a Catherine Zeta-Jones.
    "Cult não é forçar a barra, aqui é mesmo um filme "cult", e uma das
    minhas melhores amigas ficou um pouco zangada comigo por eu ter recusado a ir ver esse filme.

    A Marion tem razão - INFELIZMENTE há muitas mulheres sòzinhas, que
    estão desesperadas em arranjar um homem. Conheço algumas!!!

    ResponderExcluir
  7. Eu vi, eu vi, mas na versao alema e gostei.
    Mas é barra ser mulher sozinha...


    Bjao

    ResponderExcluir
  8. Sheila, adorei saber... vc se rendeu aos encantos do Edawrd também!

    Beijos

    ResponderExcluir

Bons comentários!