terça-feira, 30 de novembro de 2010

Antonio Meneses arquitetura da emoção

Terminei de ler Antonio Meneses arquitetura da emoção (2010) por João Luiz Sampaio e Luciana Medeiros da Algol Editora. Eu gosto muito de biografia e de conhecer histórias. Infelizmente há poucas no Brasil e fiquei muito feliz que agora temos a do Antonio Meneses. Aos 11 anos Meneses ganhou um violoncelo do pai, não que tenha pedido, o pai, músico, tocava na Orquestra Sinfônica Municipal do Rio de Janeiro, desejava que algum dos seus filhos estudassem música. No início Meneses não gostou muito do curso, a professora só passava a parte teórica, mas assim que veio a primeira peça, se apaixonou pelo instrumento. Aos 17 anos veio a oportunidade de estudar no exterior e assim as dificuldades tradicionais dos músicos que vão para fora do país buscar o aperfeiçoamento. Até que Meneses não levou muito tempo para conseguir outro bom instrumento para se apresentar, só três anos, embora essa busca sempre continue a cada crescimento profissional, junto com os altos custos dos instrumentos. Nesse período de busca usou vários violoncelos emprestados ou alugados. A biografia relata ainda as participações do Meneses no Trio Beaux-Arts, os regentes que teve contato como Karajan. Com intensa carreira internacional, Antonio Meneses vive mais no exterior, vem ao Brasil esporadicamente para apresentações.

Além da biografia, o livro traz no final fotos da carreira do violoncelista e ainda um CD com um repertório escolhido pelo músico que retratasse o livro e que homenageasse aqueles que foram determinantes em sua vida e carreira. Há três músicas com o pianista Luiz Fernando Benedini e mais 5 solo com o violoncelista: Modinha de Francisco Mignone, O Cisne de Camille Saint-Saëns, Après um Rève de Gabriel Fauré, Bourrée I e II de Bach,  Estudo nº 8 em Ré Maior de Jean-Pierre Duport, Estudo opus 25 nº 7 em Dó Maior de  Alfredo Piatti, Estudo nº 9 de David Popper e Prelúdio Fantasma de Gaspar Cassadò.









Beijos,
Pedrita

5 comentários:

  1. Pedrita, tudo bem?

    Gostei como vc relatou a biografia de Meneses e pensar que o meu filho de 11 anos comeca a se interessar agora por música, pois até entao nao queria saber.

    Bjao

    ResponderExcluir
  2. Oi Pedrita
    Nossa eu queria saber como voce consegue ler tanta coisa assim e de temas tão variados?
    Eu não gosto muito de biografias, mas como todos os livros que vc citou esse entra numa lista especial.
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Seu post me fez lembrar que quando eu tinha oito ou nove anos, comecei a me apaixonar por música clássica e as crianças da minha idade me chamavam de esquisita. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Ok. Eu amo Chopin e tenho dúzias de cd´s com diferentes interpretações dele. rs

    Escureceu em Sao Paulo, a tarde virou noite. Bacio

    ResponderExcluir
  4. Pedrita, esse é um livro que não é minha praia!
    bj

    ResponderExcluir
  5. georgia, é bom começar cedo na música.

    gammelo, eu carrego o livro pra tudo qt é lugar, consultas, espera pra começar peças, cinema, espera pra atualizar o computador, sempre há algum motivo pra espera e o livro sempre perto a leitura voa. eu adoro biografias.

    lunna, eu tb gosto de música desde cedo, mas não dividia meus gostos na escola.

    la socière, acho q vc ia gostar mais do livro logo abaixo, o do françois mariac. esse é uma leitura muito específica realmente.

    ResponderExcluir

Bons comentários!