quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O Orgulho da Rua Parnell

Assisti O Orgulho da Rua Parnell de Darson Ribeiro na Verniz Galeria. O texto é do irlandês Sebastian Barry. Não conhecia esse autor e gostei demais do texto. Ele fala a história de um casal pobre. Eles se amam muito, tem três filhos.

Um filho é atropelado e morre. Outro dia o marido chega em casa e espanca violentamente a mulher. Ela sai de casa com os dois filhos. O casal sempre viveu em ambientes de violência e pobreza. Ele vai preso, depois fica doente e ela tem que sobreviver. Os filhos seguem as histórias de pobreza dos pais, sem perspectiva de melhora de vida. É um texto muito complexo e triste. Gosto demais do trabalho da Claudiane Carvalho. Já tinha visto alguns trabalhos com ela que comentei aqui. Eu não conhecia o Alexandre Tigano que faz o marido, gostei também. No início um garoto interpreta o filho e canta a capela, Enrico Bezerra, que graça de menino. O Orgulho da Rua Parnell fica em cartaz até 20 de fevereiro.
Foto Eliana Souza

Muito interessante que a peça acontece na Verniz Galeria. É uma loja de objetos, gostei demais do elenco andar entre os objetos e nós sentarmos em cadeiras que estão a venda. É um lugar peculiar, que traz muito o clima da peça. Gostei muito do lugar e da peça ser lá. Foi uma experiência e tanto.
Foto de Claudio Magalhães

Sorteio de um par de ingressos. Se algum leitor do blog quiser assistir, deixe o nome no comentário e a data. No dia estará o seu nome na portaria com um par de ingressos. Tenho cortesia para um par de ingressos.

Beijos,
Pedrita

10 comentários:

  1. Que interessante, ser dentro de uma galeria de arte.

    ResponderExcluir
  2. Parece ser bem interessante, gostaria muito de assistir!

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Na próxima semana, assistirei ao espetáculo da Biana Rinaldi e do Leonardo Vieira no Teatro Folha!!! Também começarei a minha Maratona Oscar. Bjs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fabio, não sei se vou ver essa peça. e tb não sei se vou ver os filmes que concorrem ao oscar. só desejo ver elle, nem sei se está ainda em cartaz.

      Excluir
  4. Pedrita,
    Que legal uma peça dentro de uma galeria de arte.
    Gostei do texto, apesar de ser uma história triste, vale
    a pena assistir, é sempre uma lição para todos nós!

    Bjoos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andréa, foi muito legal mesmo, mas é um texto triste realmente.

      Excluir
  5. Oláááá Pedrita!
    Que interessante parece uma peça sensorial, já que é passada numa galeria e a platéia pode se sentar nas cadeiras que estão à venda!
    Que mara!
    Deve ser uma peça muito triste, pela condição psicológica, social e pessoal dos personagens.
    Puxa que triste o destino da protagonista, além de ter o filho morto num atropelamento (no Brasil é quase sinônimo de impunidade), é espancada pelo marido :/ (mudando um pouco as leis, mas ainda assim quase sempre impune)
    Bjs Luli

    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, realmente a peça é muito triste. e foi muito interessante sendo montada em uma galeria. o clima intimista incomoda mais pq nos tornamos cúmplices.

      Excluir

Bons comentários!