domingo, 21 de fevereiro de 2021

Elisa Y Marcela

Assisti Elisa y Marcela (2019) de Isabel Coixet na Netflix. Que filme poético e lindo! É a história dessas duas mulheres que foram as primeiras mulheres a se casarem. O filme é baseado no livro de Narciso de Gabriel. Gosto muito dessa diretora e já vi dois filmes dirigidos por ela que comentei aqui.

As duas se conheceram em um colégio de freiras na Espanha. Uma filha da diretora, e a outra com uma história confusa e um pai muito austero. Ele acreditava que os estudos não eram bons para moças e quando vê elas muito próximas manda ela para estudar longe em um internato. Por três anos elas continuam se correspondendo até se formarem professoras e irem morar perto. Natalia de Molina e Greta Fernandez estão incríveis, e como são lindas. O filme é de uma beleza estética estonteante. De uma delicadeza acachapante. 
As duas passam então a sofrer todo o tipo de violência. Até que Elisa se transforma em Mário, enrolam um padre falando que o primo tinha perdido os documentos e casam-se. Mas acabam descobrindo. Elas conseguem fugir para Porto, mas são descobertas. Marcela está grávida. Encontram um procurador sensível que sugere que Mário volte a ser Elisa para que fiquem na prisão juntas. A história vai aos jornais e leva a grande comoção. Inúmeras mulheres começam a levar presentes na prisão. Elas teriam que se deportadas para a Espanha e condenadas. Esse procurador, a esposa e homens importantes da política não querem a violência do caso e ajudam as duas a fugir para a Argentina, plano que elas sempre tiveram, onde não seriam conhecidas. Marcela resolve deixar a filha com o casal do procurador. O filme mostra a filha indo visitá-las na Argentina. É muito lindo!
Elisa e Mário no casamento.

Beijos,
Pedrita

16 comentários:

  1. Acredito que seja um filme muito agradável de ver.
    .
    Saudação poética.
    Domingo feliz
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. Vou tentar ver. Irônico que as duas tenham se conhecido num colégio de freiras, rsrs. Não entendi a gravidez da moça.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, exatamente, muito irônico. pra ver como não é falta de fé e sim sentimento. sim, é meio surpreendente mesmo. é uma das tentativas das duas de parecer um casal hetero e brecar as perseguições.

      Excluir
  3. Filme lindo sim. A vida que poderia ser mais simples, em um tempo ainda mais dificil com relação ao direito as singularidades. Eita vida! Bjao e saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. camille, sim, seria mais simples respeitar o jeito que cada um quer viver os seus sentimentos.

      Excluir
  4. Não conhecia esse filme, mas não tenho Netflix.

    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    ResponderExcluir
  5. Deve ser lindo! Também gosto dos filmes dessa diretora.

    ResponderExcluir
  6. Deve ser muito triste. A intolerância e o apontar dedos parece que sempre está a postos julgando a vida dos outros. Seria tão mais natural respeitar o próximo.
    Sem dúvidas deve ser muito sensível e delicado.
    E o final parece ser feliz!

    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, sim, é tanta crueldade. inclusive de religiosos.

      Excluir

Bons comentários!